Vocação Requer Cultivo

O texto é de Pe. Jardel de Oliveira, Pobre Servo da Divina Providência, publicado na Revista A Ponte, edição Abr/maio/jun 2018.

 

CULTIVAR ESTÁ RELACIONADO COM A TERRA, COM A DEDICAÇÃO DO LAVRADOR NO CUIDADO 

PARA MANTER OU CONSERVAR A VIDA DAS PLANTAS, A FIM DE GARANTIR BOAS COLHEITAS.

 
Padre Calábria, desde cedo, buscou cultivar seu chamado, "brincava de altarzinho" e repetia, da melhor forma possível, em casa, as celebrações religiosas que observava na igreja. Sua mãe, profundamente religiosa, buscou ensinar os valores da fé: "começou a levar Joãozinho à Igreja, desde tenra idade". João vai crescendo dentro de um ambiente temente a Deus. 
 
Desde sua infância, ele percebeu, na vida devota de sua mãe, que ela o ajudou a conhecer melhor a fé e ter uma forte noção da presença de Deus em sua vida. A missa, o terço, pequenos sermõezinhos, foram apontados para seu chamado: "é necessário salvar almas". A família de Joãozinho era uma pequena igreja, ou seja, um pequeno santuário. "Embora eu seja muito pobre, muito miserável, contudo devo dizer, com sinceridade, que, desde os meus primeiros anos, senti em mim a vocação ao sacerdócio, e, em meio a tantas provações, a tantas contradições e tantas misérias, nunca, por pura graça do Senhor, tive a menor dúvida sobre minha vocação".
 
Portanto, Calábria sempre se sentiu chamado, cativado e amado: "Oh, meus queridos e amados irmãos, procurem dar valor e amar muito a sua vocação, vivendo como verdadeiros e santos missionários, dignos filhos, dignos seguidores do primeiro e Divino Missionário, Cristo Jesus!... Oh, se vocês forem religiosos de fé, de sacrifício, de continua união com Deus, por meios da vida  interior, com o espírito da Congregação, sinto que vocês irão fazer milagres, que o Senhor se servirá de vocês para grandes coisas".
A Espiritualidade Calabriana, por ser atual e comprometedora, nos impulsiona à vivência de uma radicalidade evangélica profunda e confiante: "Senhor, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes"  (Lc, 5,5). Somos chamados a nos configurar "À Pessoa do Cristo".
 
Ser cultivado significa deixar-se moldar pelo Espírito, sem perder a identidade carismática nos acontecimentos da vida. Neste sentido, ser cultivado é aprender com o Mestre, onde nasce a "mística do encontro", fraternal e missionário. "É deixar-se tocar e transfigurar-se por duas grandes imagens bíblicas: A Samaritana (Jo 4, 1-42) e  O Bom Samaritano (Lc 10, 29-37). É "a paixão por Cristo e paixão pela humanidade" é "amar muito a própria vocação".
 
São João Calábria deixou-se cativar e cativou, testemunhando a alegria da vocação. Nós, hoje, somos desafiados, como Calábria foi ao seu tempo, a testemunhar a alegria de nossa vida consagrada ao Reino. Isso o fazemos ao subirmos ao monte, para uma experiência que transforma e transfigura nossas vidas, e, ao mesmo tempo, quando descemos do monte para transformar o mundo, lavando os pés da humanidade desfigurada. Neste sentido, o vocacionado precisa ter um "coração de eremita, alma de alpinista, olhos de amante, mãos de médicos e mente de rabi".
 
Eis um desafio, sempre atual e que se renova a cada dia!

 

 Pe. Jardel de Oliveira, Pobre Servo da Divina Providência. Atualmente está em missão em Feira de Sanatana, na Bahia, junto ao COV Mãe de Deus.