Loading color scheme

66º aniversário de falecimento de São João Calábria

Espiritualidade Calabriana

Padre Calábria faleceu, aos 81 anos, em 04 de Dezembro de 1954. Três dias depois, dia 7, uma enorme multidão encheu as ruas do centro histórico de Verona para participar na procissão funeral e do enterro em Verona, que foram celebradas na Basílica de S. Anastásia.

Nessa data lembramos também o aniversário de falecimento do Irmão Francisco Perez, 04 de dezembro de 1937, Ir. Francisco morreu, aos 76 anos. Em homenagem, a Congregação tem um Instituto com seu nome, com atuação na área da saúde.

Abaixo, capítulo do Livro "São João Calábria: Evangelho Vivo" relatando os seus últimos dias.

Vítima pela Igreja

O Pe. João não nasceu forte, ou herói, ou gênio, ou santo, não teve dons de natureza excepcional, mas sim um bom quociente de inteligência, de vontade e muita bondade de alma. Na família, teve uma educação religiosa simples, mas intensa; na creche e na paróquia, uma formação exemplar e constante, que potencializaram sua psique delicada e benevolente. Correspondeu livremente aos dons da família e da Igreja, aceitou humildemente a ajuda dos outros que o apoiavam no árduo e alegre seguimento de Jesus; quis decididamente ser um Evangelho Vivo e que seus filhos e filhas também se tornassem assim. Bispos, sacerdotes, religiosos – suplicava o Pe. João – sejam Evangelhos Vivos, porque somente assim:

  • os cristãos serão ajudados a se tornar santos e a formar verdadeiramente o Povo de Deus;
  • a Igreja, “a nossa, a minha Igreja” será conhecida, escutada, amada;
  • satanás que, nesta hora, treme contra a Igreja, contra a Obra dos Pobres Servos, será derrotado;
  • a Igreja será glorificada no Santo Padre, vigário de Cristo;
  • os irmãos separados (ortodoxos – sim, protestantes) serão facilitados a retornar à unidade com a Igreja de Roma.

Ele, Evangelho Vivo, celebrou a última Missa (21 de novembro de 1954) “pela minha alma, pela Obra, pela Igreja”; ofereceu em seu leito de morte “a sua carcaça inútil... em troca da vida tão preciosa do Santo Padre Pio XII” (gravemente doente). O papa melhorou rapidamente, e o Pe. João se agravou: aos males cardíacos e pulmonares, acrescentou-se uma hemiplegia cerebral (3 de dezembro). À uma hora do sábado (4 de dezembro), o coração generoso do Pe. João Calábria deixou de bater aos 81 anos de idade.

A imprensa local comunicou a notícia de que um santo morreu: descreveu o triunfal funeral de um santo, presidido pelo bispo Jerônimo Cardinale, com a participação do rabino Weiss Levi.

Foi proclamado bem-aventurado pelo Papa João Paulo II em 17 de abril de 1988 em Verona.

Foi declarado santo pelo mesmo papa em 18 de abril de 1999 em Roma.

A memória litúrgica ocorre no dia 8 de outubro.

Também faz parte da Obra Pe. Calábria uma congregação feminina, as Pobres Servas da Divina Providência, em 1910.

Um terceiro ramo da árvore calabriana é composto, enfim, pelas Irmãs Missionárias dos Pobres.

As atividades realizadas nas casas da Obra são:

  • acolhida de menores;
  • escola de formação profissional;
  • atividades com os deficientes;
  • atividades educacionais;
  • atividades de saúde;
  • atividades paroquiais;
  • atividades vocacionais “abertas à Igreja”;
  • atividades ecumênicas. 

QUEM FOI IRMÃO FRANCISCO PEREZ?

Irmão Francisco Perez nasceu em Verona (Itália) aos 09 de julho de 1861. Formou-se em direito e, após a morte do pai, dedicou-se na administração dos bens da família. Aos 20 de agosto de 1909, praticando o conselho evangélico, renunciou aos bens, aos cargos e aos familiares e entrou definitivamente na Família religiosa dos Pobres Servos. Doou-se totalmente a Deus nos serviços mais humildes da casa, foi um sábio educador para os meninos abandonados e para todos um modelo de pobreza, de oração e de abandono à Providência. Faleceu no dia 04 de dezembro de 1937.