Loading color scheme

A Pedagogia Calabriana em tempos de pandemia

Educação

O Setor Educação, dentro do Projeto Buscai e Anunciai, traz para nós uma oportuna reflexão de como a Pedagogia Calabriana está contribuindo na formação das futuras gerações. Acompanhe!

Artigo elaborado por Brenda do Socorro Santos da Costa
Coordenadora da Pastoral Calabriana

“E tomando-o pela mão, acolheu-o em sua casa.”
(Nosso Jeito de ser e de viver, p. 30)

Neste artigo pretendo refletir sobre os pensamentos e vivências de São João Calábria que o impulsionaram na origem da Congregação, tomando como base a percepção dos dias atuais. Precisamos nos perguntar: ao fundamentar a Pedagogia Calabriana, estamos longe da realidade vivida pelo Padre Calábria? Quais inspirações podemos carregar para prosseguir nas nossas unidades pedagógicas em 2020?

Conta-nos a história da Obra Calabriana que, em novembro de 1897, quase onze horas da noite, um estudante do seminário, chamado João Orestes Maria Calábria, retorna à sua casa. Naquele momento, ele voltava do hospital, onde fora visitar um menino gravemente doente. Aquela noite era escura e fria. Ao chegar ao portão de sua casa viu um monte de trapos. Ainda não sabendo de que se tratava, inclinou-se e, para sua surpresa, havia um menino dormindo, então o sacudiu suavemente. Calábria reconheceu que o menino era o ciganinho que costumava pedir esmola pelas redondezas da sua morada. Após ouvir dele que estava ali porque não queria voltar para a casa, já que não havia conseguido dinheiro e sabia que iria apanhar por isso, Calábria apenas falou: “Levante-se! Venha comigo!”, e tomando-o pela mão, acolheu-o em sua casa.

Transportando-nos para o cenário em que vivemos, este obrigou-nos a mudar de rotina. Não podemos continuar mais como antes e cada um teve que praticar essa experiência estando de acordo ou não. Tivemos que mudar em muitos aspectos, sejam pessoais, trabalhistas e até mesmo culturais. Padre Calábria teve a opção de passar por aquele emaranhado de trapos e entrar em casa para descansar, afinal já tinha tido um dia longo, exaustivo, estava frio. Mas, sua opção foi a de acolher, de levar uma criança faminta, triste e com medo, para dentro da sua casa e, não só isso, dar-lhe comida e local para dormir.

Baseado em experiências como esta, São João Calábria fundou a Congregação Pobres Servos da Divina Providência e fundamentou os cinco pilares da Pedagogia Calabriana e servem para iluminar o cenário escolar atual.

VER - O momento que vivemos exige olhar para além dos olhos. Será que queremos ver, de fato, o que está acontecendo ao nosso redor? Estávamos vivendo de qualquer jeito, passando pelas pessoas sem olhar para elas, reflexo de um olhar superficial, automático, que não permite reação, muito menos, um agir diferente. Neste ano a Campanha da Fraternidade nos propôs como lema: “viu, sentiu compaixão e cuidou dele”, baseando na passagem bíblica de São Lucas (10,33-34). Uma provocação feita pela Igreja e pela Palavra de Deus e estarmos ainda mais atentos a realidade atual.

Para as escolas, o tempo atual permitiu entender a importância desta ação, bem como o papel do professor, tão desvalorizado. Nesse momento precisamos ensinar os nossos filhos, netos, sobrinhos, irmãos, em idade escolar sobre as matérias e, também, aprender a mexer em plataformas e conteúdos específicos. Muitas vezes, sem um lugar adequado para facilitar o aprendizado do aluno. O setting da sala de aula está vazio, mas as casas, cheias de educandos que precisam continuar os estudos.

INCLINAR-SE - Padre Calábria pedia que os colaboradores/irmãos que trabalhavam na Obra tivessem humanidade e olhassem com fé o mundo fossem um sinal de esperança. A realidade atual exige que percebamos as situações da vida ao nosso redor, e nos interessarmos por cada filho, neto, sobrinho, irmão, que torna-se para nós, agora, aluno.

Inserir a família como parte do processo educacional, tornou-se necessário, mesmo diante de muitas limitações. Interessante dar-nos conta que a família e a escola precisam estar em sintonia, falar a mesma linguagem, não só por ocasião da pandemia e a responsabilidade que estes tem nesse momento, mas porque é importante para as crianças/adolescente essa unidade educativa e formativa.

SACUDIR SUAVEMENTE – Foi necessário despertar da realidade pre-pandemia, para respeitar e reconhecer a dor, a dificuldade do outro; para chegar e dizer com carinho: “estou aqui para o que der e vier”. Como necessitamos que as pessoas nos digam isso agora! Sabemos que não podemos nos encontrar pessoalmente, mas nos aproximar com a oração, através dos meios de comunicação. Quando chegarmos perto de uma pessoa, possamos dar um gesto terno, acompanhado de afago.

RECONHECER - Padre Calábria dizia que reconhecer é saber ultrapassar as defesas que nos distanciam dos outros e reconhecer neles o que têm de mais profundo: pessoas, filhos de Deus, nossos irmãos. Durante toda a sua vida inspirou-se no zelo e no cuidado paterno/materno de Deus. A Pedagogia Calabriana pede intensamente que possamos nos importar uns com os outros.

Neste tempo, ao voltarmos nossas atividades, não é possível que ainda iremos manter atitudes de anonimato e isolamento, pois todos temos qualidades e estamos tendo uma segunda chance, uma oportunidade de reconhecer a nossa importância, de cada profissional da escola, bem como, a singularidade de cada aluno. Olhar nossa profissão como uma missão confiada por Deus.

ACOLHER - Oferecer a oportunidade de olhar a vida com esperança e construir sonhos. Para São João Calábria acolher bem não é uma opção, pois acreditava que essa realidade deveria fazer parte do nosso jeito de ser e de viver. Dizia ainda que acolher bem é o mínimo que podemos e devemos fazer dentro das nossas instituições, pois o acolhimento faz a real diferença em nossas atitudes.

Nesse tempo, sem a escola presencial, vemos muitos professores que trabalham na Obra Calabriana se dedicando para repassar aos seus alunos o conhecimento que precisam ter.

E você? Professor? Colaborador da obra Calabriana, como se vê diante do seu dia a dia durante o isolamento social? Como um protagonista ou vítima? Padre Calábria reconhecia que as dificuldades que encontrava pelo caminho faziam parte da Obra de Deus e que, por tal motivo, jamais estaria sozinho, pois sabia que se Deus enviasse mais uma criança, mandaria também o alimento e a cama.

Os tempos são difíceis, mas cabe a nós olharmos para estes pilares e enxergarmos juntos as maravilhas de Deus, mesmo em tempos de pandemia, pois cada aluno, cada colaborador tem vivido de modo particular e singular esse momento. Trabalhar os sentimentos e as emoções pode ser um passo importante.

Sabemos que o papel da escola na vida de todos é fundamental. Que este reconhecimento não caia por terra quando esse tempo de pandemia e isolamento social passarem, mas que a valorização da escola, do professor e de todos que trabalham em prol da educação continuem sendo reconhecidos, pois são grandes merecedores. A motivação para retornar a rotina escolar, seja ela como precisar ser, é de suma importância para não perdermos a essência do nosso jeito de ser e de viver calabrianos.

REFERÊNCIAS
Cf. Coleção Setor Educação. Projeto Político Pedagógico Calabriano.
Cf. Coleção Setor Social. Nosso Jeito de ser e de viver. 4ª Ed., Porto Alegre, 2010.
GADILI, Mario. São João Calábria. Biografia oficial. Paulinas: São Paulo, 2001.